Sindicato vandaliza patrimônio histórico e agride membros do MBL, vigilantes e policiais

A câmara de vereadores de Florianópolis foi vandalizada na tarde de ontem por militantes de extrema-esquerda do sindicato de servidores públicos municipais, o SINTRASEM, que é filiado à CUT. Além disso, atacaram ativistas do Movimento Brasil Livre (MBL), guardas municipais e policiais militares.

Durante a votação do primeiro projeto do pacote de medidas – que reduz de 28 para 14 o número de secretarias, reduz o número de cargos comissionados e funções gratificadas e acaba com as gratificações de atividade especial – militantes invadiram o prédio da câmara e depredaram parte do acervo histórico da cidade. Móveis originais que foram usados pelo fundador de Florianópolis, Francisco Dias Velho, foram destruídos pelos baderneiros e precisarão passar por restauração custeada com dinheiro do pagador de impostos.

Do lado de fora, integrantes do MBL, que apoia as medidas de austeridade, foram agredidos por membros do sindicato. Um dos líderes do movimento na cidade recebeu empurrões e um chute na perna, bem como o cinegrafista do grupo, que também teve seu equipamento danificado.

Na tentativa de conter a violência da militância esquerdista, tanto a Guarda Municipal, quanto a Polícia Militar fora agredidos por pedras e cadeiras, arremessadas pelos vândalos que participavam da ação do sindicato.

Apesar da tentativa de barrar as medidas, os dois primeiros projetos do pacote – reforma administrativa e revisão de benefícios do funcionalismo público – foram aprovados por maioria simples.

Anúncios

Deixe uma resposta