Prefeitura de Curitiba cai nas graças do povo com ação de conscientização nos bares e deixa extrema-esquerda em fúria

Na noite desta quinta (19) se iniciou a campanha Balada Protegida, promovida pela Prefeitura de Curitiba. É uma ação de segurança e educação orientada a frequentadores de bares e comerciantes. O primeiro trabalho aconteceu das 20h de quinta-feira às 2h de sexta-feira (20), na Avenida Vicente Machado, no Batel, conforme Agência de Notícias da Prefeitura.

Como ação de conscientização, frequentadores dos bares foram convidados a fazer o teste do bafômetro. Dependendo do resultado, ganhavam uma pulseira na cor verde (quando a pessoa estava dentro do nível alcoólico seguro) ou vermelha (acima do nível seguro). Em seguida, recebiam orientação sobre os riscos de dirigir sob o efeito de álcool e os valores de multa e outras penalidades previstas na legislação.

Entre as 26 pessoas que participaram do teste, 14 eram mulheres com idade média de 24 anos, enquanto 12 eram homens com idade média de 31 anos. Como resultado, 12% das mulheres e 33% dos homens receberam a pulseira verde. Foram distribuídos 1.200 folders sobre os riscos de dirigir sob o efeito de álcool. O Departamento de Política Sobre Drogas, da Defesa Social, prestou orientações sobre os problemas causados pelo uso de drogas. Duas viaturas da Guarda Municipal também foram colocadas na região, para garantir a segurança da população. A operação contou com a participação de 50 pessoas da Guarda Municipal, Setran, Secretaria Municipal da Defesa Social, Secretaria Municipal de Urbanismo, e Secretaria Municipal do Meio Ambiente. Foram empregadas três viatura e uma van da Guarda Municipal, duas viaturas do Grupo de Operações Especiais (GOE) e três carros do Setran.

Algacir Mikalovski, secretário Municipal da Defesa Social e Trânsito, comemorou o sucesso da iniciativa: “As pessoas estão percebendo que o poder público municipal, com apoio de outros órgãos públicos, está promovendo a segurança para que elas possam usufruir de seu direito de sair, de se divertir, de andar na rua e de descansar em casa, quando assim desejar. A população começa a entender que as forças públicas estão aqui não para oprimir, mas sim para proteger”, disse.

Daniel Mocellin, dono de um dos estabelecimentos mais conhecidos da região, enalteceu a medida. “A importância dessa operação é, primeiramente, a educação no trânsito e em segundo lugar, o policiamento”, disse ele. De acordo com Mocellin, alguns problemas costumam ser recorrentes na região “Acredito que o meu sentimento é o mesmo de todos meus vizinhos comerciantes e também do público. A gente vinha sofrendo com a questão da segurança. A rua, é até chato dizer, estava abandonada. Agora temos a esperança que o policiamento esteja aqui com mais frequência.”

A estudante de Medicina Fernanda Bastos Andrade Copetti elogiou também a interdição da faixa da rua para evitar seu uso pelo público: “Achei muito seguro. Com o uso dos cones não tem aquele confronto entre os carros e os pedestres. Se estabelece um limite até onde as pessoas podem ficar e não ocupa a rua inteira.” A estudante de arquitetura, Bruna Furlan, fez o teste e recebeu a pulseira verde. “Quando a gente sai para beber e dirige, não está fazendo um mal somente para nós mesmos. Por isso acho legal uma ação como essa, para nos proteger e proteger os outros também”, afirmou.

Ainda assim, militantes de extrema-esquerda resolveram reclamar muito nas redes sociais. Em futuro post, mostraremos vários print screens com ataques de partidários de partidos como PT, PCdoB e PSOL, nos levando a dúvidas: qual o interesse dessa gente em que não exista conscientização sobre os riscos de dirigir alcoolizado?

Evidências dos ataques da extrema-esquerda:

ev1 ev2 ev3 ev4

Anúncios

Deixe uma resposta