Kim Kataguiri desintegra ultraesquerdista que defende manutenção do imposto sindical (obrigatório, claro)

O ultraesquerdista Leonardo Stoppa lançou um vídeo atacando o MBL, pois o movimento defende a liberdade de contribuição sindical, ou seja, o direito de um cidadão escolher pagar contribuição se assim o desejar e para qual instituição ele escolher.

O modelo vigente hoje em dia é completamente fascista: forçando o cidadão a pagar imposto sindical que, como todos sabem, é coercitiva e não dá liberdade de escolha.

Stoppa, em vez de argumentar seriamente, só lançou ataques infundados. O resultado foi esta resposta fulminante de Kim.

Assista:

Anúncios

4 comentários sobre “Kim Kataguiri desintegra ultraesquerdista que defende manutenção do imposto sindical (obrigatório, claro)

  1. Durante minha vida de trabalhador tive o desprazer de conviver com diversos sindicalistas e sindicatos que sempre tiveram a cumplicidade dos governos de nos extorquir com a obrigatoriedade do imposto sindical.
    Vejo com muita esperança o fim desta obrigatoriedade pois os sindicatos nunca defenderam os trabalhadores senão vivem para criar dificuldades para as empresas para conseguir vantagens pessoais e para seus sindicatos
    Isto sozinho nao resolve nosso problema que é estrutural, mas é um bom primeiro passo.
    MBL parabéns pela nossa luta diaria contra a corrupção e os corruptos deste Brasil

  2. O MBL e o RGR SCAR (EDITOR) desde blog patético, desconhecem completamente a função da contribuíção sindical, do FGTS e do INSS. Esperar o que de gente que abandonou a UFABC, alegando que sabia mais que os professores, como o Kim Kataguiri, e o que de Roger Scar que não possui formação alguma e acha que é especialista em geopolítica, política, economia e conjuntura.

    1. mimimimimimimimimimim de quem ficou senil e está chorando por que os trabalhadores terão mais liberdade de contribuição sindical. Roger Scar? Aquele que destruiu o dimenstein? Se você é o Paulo Henrique Amorim, então ataque o Roger Scar na cara dele seu oportunista covardão.

Deixe uma resposta