Vôos de Pimentel são “sigilosos” como o uso do cartão corporativo por Rosemary, diz colunista

Ao menos duas ações que tramitam na Justiça mineira pedem desde junho passado que o Estado divulgue os voos feitos pelo governador Fernando Pimentel (PT), em aeronaves oficiais ou fretadas. Ambas foram protocoladas no Tribunal de Justiça do Estado após a Folha revelar que o governo passou a considerar as informações sobre os voos como sigilosas, e ainda aguardam decisão.

Até agora, os desembargadores determinaram apenas que os processos não irão ficar com eles e serão enviados à primeira instância.

Uma dessas determinações foi tomada em 6 de setembro. Mas o processo só foi enviado à primeira instância em 24 de novembro e, desde então, não andou. Na outra ação, a decisão de o processo ir a uma instância mais baixa foi feita em 26 de outubro, mas ele ainda não foi enviado.

“Considerando que os autos são eletrônicos, isso é questão só de alguém sentar na frente do computador e fazer a remessa eletrônica para algum juiz da vara da Fazenda Pública. É duro”, afirma o advogado Mariel Marley Marra, autor desse segundo processo.

Procurada, a assessoria do TJ de Minas informa que “a tramitação de ambos os processos foi normal, porém a existência de vários recursos gerou andamentos que estenderam os prazos”.

A ação de Marra pede o registro dos voos realizados por Pimentel entre janeiro e abril de 2016, com informações sobre os trechos percorridos, as datas e quem acompanhava o governador.

Já o outro processo, do deputado estadual Sargento Rodrigues (PDT), pede dados sobre todos os voos de 2015 fretados por Pimentel em companhias de táxi aéreo.

Ainda em junho, um desembargador chegou a determinar que Pimentel liberasse as informações sobre os voos fretados porque havia “evidente interesse público”, “sob pena de imensurável prejuízo à sociedade”, mas o Estado recorreu.

O governo de Minas tem argumentado que se baseia em um decreto de 2012 – que pede sigilo a informações que coloquem em risco a segurança do governador e da sua família – para não divulgar os dados. Eles seriam liberados ao fim do mandato.

No entanto, as informações que agora são sigilosas já haviam sido disponibilizadas à Folha via Lei de Acesso à Informação em outubro de 2015. A reportagem voltou a pedir os dados atualizados depois, mas eles foram negados. Em nota, o governo ainda afirma que “até o momento, não houve decisão judicial sobre o tema”.

Na última semana, o tema dos voos de Pimentel voltou a repercutir após o governador ter usado um helicóptero do Estado para buscar o filho em uma festa de Ano-Novo no interior de Minas. No início do mês passado, o governo decretou que o Estado estava em situação de “calamidade financeira”.

Em resposta nas redes sociais, Pimentel afirmou que o governador pode usar helicópteros oficiais “em deslocamentos de qualquer natureza” e, por estar previsto em legislação, o voo não é “nenhuma novidade, nada ilegal ou irregular”.

Nesta quarta (4), o jornal “O Estado de S. Paulo” noticiou que o Gabinete Militar do governador está comprando mais dois helicópteros, no valor de R$ 21,8 milhões. O governo confirma a compra, mas diz que as aeronaves “serão utilizadas em salvamentos e resgates e não em deslocamentos de autoridades” e diz que o governador não irá usá-las.

Em nota, a assessoria de Pimentel afirma que a compra já constava no planejamento do Gabinete Militar, que coordena a Defesa Civil estadual.

Os voos de Pimentel são considerados tão sigilosos quanto os gastos da segunda-dama Rosemary Noronha com os cartões corporativos. Nos dois casos esse sigilo é ilegal, mas continua mantido pela clara conivência da Justiça de Minas Gerais e da União, respectivamente. Não pode existir sigilo sobre gastos públicos nem sobre os atos oficiais de homens públicos e mulheres públicas, como é o caso, em todos os sentidos. Isso é óbvio, mas a Justiça…

A informação é da Tribuna da Internet.

Anúncios

Deixe uma resposta