Contra o racismo institucional, Holiday reafirma combate às cotas raciais

Em sua primeira entrevista como vereador para a TV Câmara, o coordenador nacional do MBL, Fernando Holiday, reafirmou compromissos de campanha ao dizer que proporá lei para acabar com cotas raciais em concursos públicos no município, além de revogar o Dia da Consciência Negra.

O vereador afirmou: “Vou ter propostas de várias frentes, algumas delas mais polêmicas, como propor o fim das cotas raciais em concursos públicos municipais em São Paulo. É um debate que há muito tempo venho encampando, contrário às cotas porque acredito que elas reforçam o racismo ao invés de ajudar os negros. Vou propor a mudança da justificativa do Dia da Consciência Negra, que é um feriado complicado, que muitas vezes pode atrapalhar esse combate (contra o racismo)”

Em sua página no Facebook, leitores sugeriram outras figuras históricas negras — como Machado de Assis e Rebouças – para que fossem homenageados no lugar do escravocrata Zumbi. Em resposta, Holiday comentou se orgulhar de Luís Gama, o que pode assinalar que o rábula negro do Século XIX que lutou institucionalmente pela liberdade de milhares de negros poderia ser referência para uma nova data, conforme detalhou para a Agência Estado: “”Seria alguma outra data que relembrasse a libertação dos negros, mas que homenageasse outra figura e que não tivesse o nome ‘Dia da Consciência Negra’. Este nome é segregacionista, acaba de certa forma sendo racista.”

Na mesma publicação em que se refere ao sistema de cotas raciais como “racismo institucional”, o vereador aproveita para rebater os críticos ao dizer: “Ao contrário do que afirmam […], faço isso por admitir a obviedade de que o racismo existe e entender que leis como essas o estimulam, ao invés de combatê-lo.” E conclui propondo ser a voz de “negros livres das amarras ideológicas de esquerda”, numa clara referência aos coletivos negros ligados a partidos políticos de extrema-esquerda, como PT, PSOL e PC do B.

Anúncios

Deixe uma resposta