Principal propagadora de narrativas pró-PT na grande mídia, Folha volta a demitir para cortar custos

De acordo com o Instituto Liberal de São Paulo, a Folha promoveu mais uma rodada de demissões para cortar os custos do jornal – que segue com as assinaturas do jornal impresso, as mais rentáveis, em queda.

As demissões ocorreram no final de 2016, e foi a quinta vez que o jornal promoveu demissões no ano passado. Um dos demitidos foi o jornalista Marcelo Ninio, correspondente do impresso em Washington. Leonardo Cruz, que há 19 anos estava na Folha e era secretário de redação, também deixou o jornal. O colunista e professor Pasquale Cipro Neto, que escrevia no caderno ‘Cotidiano’ às quintas-feiras, também foi desligado.

As demissões atingiram também o jornalista Rodolfo Viana, da ‘Ilustrada’, a repórter do caderno ‘Mundo’, Johanna Nublat, e o infografista Lucas Zimmermann. A última rodada de demissões realizada pela Folha tinha ocorrido em setembro, quando as equipes das editorias ‘Cotidiano’ e ‘Esportes’ foram unificadas e a sucursal no Rio de Janeiro passou por mudanças. Naquela ocasião, 10 profissionais foram demitidos.

Será que a crise na Folha se deve ao fato de ter perdido algum rendimento, que coincidentemente aconteceu após a queda de Dilma? Difícil dizer.

Anúncios

Deixe uma resposta