Brasileira que ficou presa na Venezuela faz relato comovente

Acompanhe o relato de uma brasileira que ficou presa na Venezuela durante passeio para escalar o monte Roraima:

“Nosso grupo chegou a Boa Vista (RR) no dia 8 de dezembro. No dia 9, fomos para Santa Elena de Uairén (Venezuela). Era um grupo de dez brasileiros, e fomos fazer a subida do monte Roraima.

No dia 10, cedinho, pegamos as picapes 4×4 para chegar a uma aldeia indígena, onde você encontra os carregadores para começar a subida.

No dia 16, estávamos acampados no último ponto, quando no jantar fomos avisados pelo guia de que a fronteira estava fechada. No dia seguinte, iniciamos a caminhada de descida para voltar para a aldeia indígena. O que estava previsto era que a gente chegaria a Santa Elena e já viria direto para Boa Vista.

Quando chegamos a Santa Elena, no dia 17, o caos estava instalado. As pessoas armadas com tacos de beisebol, pedaços de pau e barras de ferro, para defender a propriedade ou para saquear, você não sabe quem é quem. A Guarda Nacional na rua, a recomendação era para voltarmos ao hotel e não sair de lá.

Disseram que havia um toque de recolher a partir das 17h, não pude confirmar isso. Mas como estava tudo escuro (não tinha energia na cidade), todos estressados por não conseguir voltar ao Brasil, o que menos importava era esse toque de recolher. Do jeito que estava a cidade, eu não ia sair do hotel.

Não tinha mais lugar para comprar comida na cidade, e o hotel tinha macarrão, hambúrguer de frango e um pão racionado. Água dependia de uma bomba, o telefone dependia de energia, que não tinha, então ficamos no escuro e sem água.

No domingo, tentamos entrar em contato com o vice-consulado brasileiro em Santa Elena. O guia informou todos os nossos nomes, depois pediram nossos celulares —não sei para quê, pois estava tudo sem bateria e não tínhamos como recarregar.

O vice-cônsul estava em Caracas em reunião com os ministros, o tempo passando e a gente sem saber de nada.

Então ficamos sabendo que havia uma passagem alternativa, que ora deixava passar, ora não deixava. O cara da agência de viagens se recusou a nos ajudar a atravessar.

A dona do hotel nos indicou um motorista que podíamos contratar para a travessia. Foi meio um dilema. Uns queriam esperar a solução do consulado, outros queriam atravessar. Eu era da opinião de que tínhamos de ir. No fim, todos toparam.

Quando você recebe a notícia de que só vai poder sair do país no dia 2 de janeiro, passar o Natal e o Réveillon longe da família, tomando banho de canequinha… Nem a pau eu vou ficar.

Contratamos o motorista. Nós dez topamos, mais uma menina brasileira, de Pacaraima (RR), que estava em Santa Elena e queria voltar para casa. Todos dentro de um Toyota, as mochilas amarradas no teto.

Deve dar uns dez quilômetros de Santa Elena até a fronteira. O plano era que eu ia falar com o guarda, porque eu falava espanhol. Mas acabou que a menina de Pacaraima foi falar, porque ela estava sentada mais na frente dentro do carro.

Chegamos um pouco antes da fronteira, era horário de almoço, só havia uns guardinhas. De longe vi a menina falando com um deles, ele fez um movimento com a mão, apontando um caminho.

A gente foi. Vimos muita gente, provavelmente venezuelanos, carregadíssimos de comida, correndo, uma coisa maluca. A travessia a pé começa numa mata, um pântano onde você se enfia até os joelhos. Dá cerca de um quilômetro e meio. Não tem um limite claro de onde é Venezuela e onde é Brasil.

Quando vi os dois ou três policiais federais [do Brasil] no posto, foi a coisa mais linda. Foram muito gentis, chamaram um carro que nos levou até o prédio da PF em Pacaraima. A primeira coisa que fiz foi ir a um orelhão ligar para a família.

Aí pegamos três táxis e fomos para Boa Vista, que fica a uns 240 km da fronteira.

Você não sabe o que é estar num país estranho, sem ter a quem recorrer, numa cidadezinha pequena, toda saqueada. Dá muita pena do povo. Isso acabou tirando o brilho da viagem, a energia, o astral do monte Roraima… Nunca mais volto para lá.”

Fonte

Anúncios

Um comentário sobre “Brasileira que ficou presa na Venezuela faz relato comovente

  1. A Venezuela, governada pelo tiranete despreparado Maduro, vem passando por um crise abissal de natureza politico social e econômica financeiro, cuja tendencia natural é de se agravar a cada dia, a começar pelo desabastecimento de gêneros alimentícios até a falta dos meios meramente indispensáveis a uma existência relativamente digna, desde quando falta de tudo nessa país bolivariano desgovernando, sem qualquer perspectiva de alguma mudança de rumo capaz de conduzi-lo ,ao menos, a uma esperança de melhores dias para esse sofrido sofrido povo boliviano.

Deixe uma resposta