Desespero de Renan para tentar passar lei de ‘abuso de autoridade’ não terá sucesso. “Vai perder de novo”, diz Ferraço

O presidente do Senado Renan Calheiros está desesperado para aprovar a lei contra o “abuso de autoridade”, uma medida que visa dificultar o trabalho dos procuradores de juízes ligados a força-tarefa da Operação Lava-Jato.

O desespero tem motivo: o mandato de Renan como presidente da casa terminará este mês, e perdendo o controle da casa sendo réu em dois processos, além de ser investigado em diversos outros, uma possível votação para cassar seu mandato é plenamente possível. Pode ocorrer com ele o mesmo que aconteceu com Cunha, que foi cassado e posteriormente preso.

Se Renan perder o mandato, ele perde também o foro privilegiado. De acordo com Ricardo Ferraço, se Renan Calheiros tentar aprovar o projeto de abuso de poder “vai perder de novo”. Renan tenta costurar nos bastidores um novo acordo para tentar passar o texto.

Anúncios

5 comentários sobre “Desespero de Renan para tentar passar lei de ‘abuso de autoridade’ não terá sucesso. “Vai perder de novo”, diz Ferraço

  1. O senador Renan Calheiros após tripudiar do STF, negando-se a cumprir um notificação judicial decorrente de uma liminar concedida pelo ministro Marco
    Aurélio, determinando seu fastamento da Presidência, conseguiu não só manter-se no cargo, graças decisão por maioria de votos do plenário da mais alta corte de justiça do país, como ainda, insaciável nos seus nefastos propósitos, investir desesperadamente contra a Lei Anti Corrupção, na obcecada tentativa de mediante um substantivo ao projeto de lei, buscar obstácularizar os trabalhos da Lava Jato, e ,por consequência, das investigações decorrentes do avanço das delações da Odebrechet, que ameaçam coloca-lo na cadeia, onde já deveria, aliás, estar a muito tempo, por recebimento ilegal de verba pública.

    1. Tem mesmo que ir para cadeia, ele é um câncer para todos nós brasileiros, acho que eles já entenderam que o povo quer uma limpeza, deveria ir em prisão comum junto com todos os presos e ter os mesmos direitos que hoje os presos tem.

Deixe uma resposta