“Guardei e nunca usei”, diz Wagner sobre rolex que ganhou da Odebrecht

O ex-ministro da Casa Civil Jaques Vagner deu uma entrevista à radio Metrópole onde confirmou que recebeu de presente da Odebrecht um rolex, quando ainda era governador da Bahia.

O presente havia sido citado na delação premiada de Cláudio Melo Filho, ex-vice-presidente de Relações Institucionais da Odebrecht. Segundo o executivo, Wagner era chamado pelo codinome “Polo” e tomou decisões em favor da Odebrecht em seu governo.

O petista ainda foi arrogante, e disse nunca ter usado o presente: “Para dizer a verdade, eu guardei e nunca usei, eu uso outro tipo de relógio”. Wagner disse também que o fato de Cláudio Melo ter citado o relógio foi uma “cretinice”.

Anúncios

7 comentários sobre ““Guardei e nunca usei”, diz Wagner sobre rolex que ganhou da Odebrecht

    1. Antonio e se fosse você que tivesse recebido seria ilegal? O que eu acho é que a autoridade pública poderia receber presentes, porém limitado a um determinado valor.

  1. Cavalo dado não se olha o dente. Presente é presente não importa de quem. deve ser o método desse ladrão. Um presentinho mixo desses . bahhhhh. nem usei. seria bom alguém pesquisar pelos vídeos anteriores e ,de repente tem alguma gravação com ele no pulso.

Deixe uma resposta