A Internet não está sabendo lidar com a entrevista lacradora de líder do MBL

Uma entrevista dada por Pedro Augusto Ferreira Deiro à Folha está dando o que falar, principalmente por parte da extrema-esquerda, que apelou a um moralismo dos tempos das cavernas, principalmente por não saber reagir à inclusividade da abordagem.

Vamos aos fatos.

Pedro Augusto Ferreira Deiro, de 33 anos, largou o curso de publicidade e montou a banda curitibana Bonde do Rolê, que mistura rock, electro e funk. Na banda, ele utiliza o nome artístico Pedro D’Eyrot. Por quase dois anos, Pedro tem optado pela discrição, vivendo quase uma vida dupla. No MBL (do qual é um dos fundadores e líderes) ele é conhecido por Pedro Ferreira.

Até aí não teríamos nada demais. Na realidade, é extremamente positivo que as ideias liberais estejam sendo discutidas por uma ótica mais inclusiva, e envolvendo pessoas representando vários setores da sociedade, além de diversas faixas etárias. Talvez por isso mesmo, a extrema-esquerda resolveu apelar ao moralismo mais carola possível, negando vários de seus discursos. Como exemplo, veja o que disse a página ultraesquerdista Catraca Livre:

capture

O preconceito da publicação foi tanto que vários de seus leitores ficaram indignados.

Um deles escreveu: “Então quer dizer que, uma pessoal que luta por um país melhor não gostar de funk, ser engraçado, ou ser um dançarino por exemplo? Desculpa Catraca, mas poderia ser menos agressivo no título …”

Outro disse: “Ué, mas quando aparece a Ludmilla falando alguma coisa, ela é lacradora, a referência do Brasil. Na luta contra sabe-se lá o que! E agora pra desqualificar a ideia de alguém, vocês taxam só pq ele faz parte de um grupo de funk?!”

Veja outro comentário: “Errrrrrooou! Que título infeliz hein catraca, poxa. Logo vocês, que não vivem de aparência, não é mesmo? Quanta hipocrisia pra uma página só.”

Quer dizer, a extrema-esquerda está “travando” e não sabendo lidar nem com a postura inclusiva e muito menos com o estilo musical da banda de Pedro.

Na entrevista, Pedro comenta sobre a nova linguagem adotada pelo MBL desde sua fundação, em meados de 2014: “Tudo começou na metade de 2014, quando eu, o Renan [Santos] e o Alexandre [Santos] decidimos abrir um escritório para desenvolver uma linguagem que propagasse ideias políticas nas quais acreditamos. Partimos da tese de que faltava estética e apelo para difundir na sociedade uma visão de mundo mais liberal. A esquerda contemporânea desenvolveu uma roupagem romantizada para seus ideais e, assim, formou uma militância consistente. Era preciso –com o perdão da ironia– revolucionar o liberalismo. Começamos a nos perguntar que diferenças fundamentais fazem com que a Anitta seja um símbolo agregador de protagonismo assim como o deputado Jean Wyllys. Fomos forjados na barriga desse leviatã de impressões que é a comunicação de hoje. Tudo a fazer era selar a besta e tentar guiá-la pelo deserto de novas ideias que era nosso lado do espectro político. Acredito que conseguimos.”

Clique aqui para ler o restante da entrevista, que vai fritar o cérebro de muito ultraesquerdista nos próximos dias.

Anúncios

5 comentários sobre “A Internet não está sabendo lidar com a entrevista lacradora de líder do MBL

  1. O que a esquerda tem de fazer é o seguinte (super revolucionário):

    Repare que coisa mais ELEGANTE. Visualize a IMAGEM: veja:

    EM SILÊNCIO:

    Não precisa falar NADA. Em silêncio, leve seu cartazinho ao açougue, quando for comprar carne. Levante seu CARTAZINHO na fila, vire-o para um lado e, depois, vire para o outro. Levante bem alto seu cartazinho de Fora Temer; para que todos o VÊEM!

    Escreva, também FRASINHAS no G+; no FACEBOOK ; no Twitter.

  2. Não vi nada de ofensivo na manchete do Catraca. Sinceramente, muito mimimi e publicidade em torno do moço que, certamente, não irá revolucionar o liberalismo. Menos né, gente?

  3. Ela, sim, já amamentou. Você está apenas começando.

    Preciso falar aqui e divulgar uma CARTINHA do PCdoB, do Rio Grande do Sul. O PCdoB sempre, aludindo veladamente, tenta dar uma de sabichões e por tabela ajudar o velho PT. Observe aqui:

    A MANUELA D’ÁVILA, do PCdoB/RS, está escrevendo UMA CARTINHA picareta para a MARCELA TEMER, dia 07 de outubro de 2016, sexta-feira…

    Para a Manuela D’Ávila:

    Manuela cabe a você fazer o seguinte:

    Repare que coisa mais ELEGANTE. Visualize a IMAGEM: veja:
    EM SILÊNCIO:
    Não precisa falar NADA. Em silêncio, leve seu cartazinho ao açougue, quando for comprar carne. Levante seu CARTAZINHO na fila, vire-o para um lado e, depois, vire-o para o outro. Levante bem alto seu cartazinho de Fora Temer; para que todos o VEJAM.

    P.S.:
Manuela, escreva, também a FRASINHA no G+; no FACEBOOK ; no Twitter.
Mas saiba de uma coisa: não PRECISA TER INVEJA de Marcela Temer: a Marcela é muuuuuito mais bonita que você própria!
    E não se esqueça de um detalhe que é fato: Marcela Temer é muito mais madura que ti. E muito mais sabe, sobretudo da vida de crianças.
    Manuela, e quanto à amamentação, é Marcela quem pode te dar conselhos ou te ensinar, pois, mais madura e experiente, já inclusive amamentou começo-meio-fim uma criança já agradecida e sadia. Você só está iniciando, por isso você está um tanto embasbacada, estupefata e entorpecida. Ponto final.

  4. Não é sobre “conservadorismo carola”, é sobre hipocrisia. Como uma pessoa, que participa de um grupo musical deste tipo (que inclusive curto pacas), que nada tem de conservador ou moral, tem parte da frente de um grupo composto quase totalmente por conservadores moralistas? A direita não é de hoje que não consegue argumentar diante de sua hipocrisia. E sim, direita, porque as idéias do MBL nada tem de liberais. Ah, e o Catraca Livre é um grande site, conhecido e com muita moral. Já este site aqui, nunca ouvi falar na vida.

Deixe uma resposta