PSDB fecha questão em torno de PEC antipedaladas. “É urgente corrigir o descalabro do PT”, diz Imbassahy

A PEC das pedaladas está na ordem do dia no Congresso, depois de sinalização do deputado federal Baleia Rossi (PMDB-SP). Após o líder do PMDB na Câmara entregar ao presidente do PMDB, Romero Jucá, uma lista apoiada por 50 deputados pedindo que o comando partidário feche questão sobre a PEC do teto dos gastos, é o PSDB que decidiu fechar questão em torno do tema.  Desta forma, os parlamentares que votarem contra a proposta ficarão sujeitos a punições como advertência ou expulsão do partido.

O líder do PSDB justifica a posição drástica: para Antonio Imbassahy, a proposta é tão importante quanto a Lei de Responsabilidade Fiscal criada durante o governo Fernando Henrique Cardoso.

“A proposta será um marco na gestão pública como foi a Lei de Responsabilidade Fiscal. Os governos do PT elevaram os gastos a níveis insuportáveis para a sociedade, que nunca pagou tanto imposto, e reduziram drasticamente a capacidade de investimento do país. O PSDB dará a sua contribuição para aprovar a PEC porque ela é importante para o Brasil

Imbassahy ainda diz que a aprovação de um limite para as despesas públicas sinaliza para o mercado que o país está se preparando para sair da crise.

“Na reunião da bancada, o fechamento de questão a favor da PEC foi proposto pelos próprios deputados em razão da urgente necessidade de recuperar a economia e corrigir o descalabro que os governos do PT provocaram nas contas públicas”, afirmou o líder do PSDB.

Anúncios

Um comentário sobre “PSDB fecha questão em torno de PEC antipedaladas. “É urgente corrigir o descalabro do PT”, diz Imbassahy

  1. Eu não lembro onde foi que comecei a nossa “conversa” e resolvi expor algumas coisas. Contrariamente ao que vc pensa, eu nunca simpatizei com o “modus vivendi” que a Rússia (trocando em miúdos) impunha a seus cidadãos. Desta forma, nunca vi um exemplar do Pravda. Outrossim, the american way of life é outra coisa que deploro. Assisti a uma entrevista onde um estudioso provava por A+B que se todas as pessoas do mundo vivessem como se vive no Madson Square Garden”, seriam necessários 11 planetas Terra em regime de produção máxima (sic) para sustentar todos os seres viventes em “um só” planeta. Em 2014, no mes de outubro, pela primeira vez, a raça Humana entrou no cheque especial da natureza tendo, naquele mês de Outubro, tudo o que o Planeta ainda viria a produzir até dezembro.

    Você não conhece minha história, mas é fácil sabe-la. Basta não responder e seguir o perfil. Aí você verá. A título de curiosidade econômica, o único bairro na cidade em que nasci, São Paulo, entrou com uma ação para evitar a construção de uma estação do metrô foi o de Higienópolis! (!!!). Eles alegavam que isso “desvalorizaria o bairro”. A verdade é que eles não queriam uma porta de entrada para seu bairro e a belíssima Praça Buenos Aires, ao restante da população da cidade.

    Neste país, muita fortuna e tradição foi alicerçada sobre o sangue de gente que não quis vender a sua pequena porçãozinha de terra (“só deixo meu cariri no último pau-de arara”); muitos morreram assim e se há uma coisa que eu deploro, e não sei, não sei mesmo se vc faz parte deste grupo, é a estirpe dos “quatrocentões paulistanos”, que construíram suas fortunas com os músculos dos braços e pernas daqueles que, levados ao Vaticano, foram declarados “não-humanos” e passíveis de escravização.

    A mim, vc pouco significa, contanto que não venha tentar explodir meu carro. Você é um WASP? Pouco me importa. Você é um Yuppie? I don’t care.

    O que me perturba é a maneira como estas pessoas se incomodam com o crescimento daqueles que, quer se queira, quer não, tanto quanto podem, contribuem, de uma maneira ou de outra, também são Brasileiros e a Bondade de Deus acende a luz do Sol, para todos.

    Sabe, eu tenho quase que certeza absoluta que você nunca passou fome. Eu passei. Eu saí de casa aos 12 anos para não morrer nas mãos de um Títere que se ocultava por detrás da honraria do vocábulo “Pai”.

    Se você quiser, eu lhe passo, em PVT, todos os dados a respeito de minha vida e vc verá que eu morei cinco anos nas ruas e meu nome não está cadastrado nos registros da FEBEM (SIC) ou da Justiça.

    Foi uma longa jornada e vc não tem ideia de como tem sido os últimos 22 anos, mas minha biografia será publicada no próximo dia 1º de dezembro (esta data não te diz nada? Eu creio que não, porque você está preocupado com o Itaquerão e eu pouco posso fazer contra Laudo Natel, com relação ao que se fez para erguer o Estádi do Morumbi, que durante décadas foi o maior estádio particular do Mundo – Não há nada que possa mos fazer sobre isso e, tristeza, eu fui DJ do La Licorne e do Vagão Plaza e se eu começasse a escrever a lista de pessoas que tomavam “uisquinho com a D Andréa” muita gente iria corar. Ou como aquele homem encanecido com os problemas diários que ele tem, no drama interminável que ele vive, como juiz, determinando o destino das peças humanas que passavam sob seu escrutínio e que entrega, carregada e destravada uma pistola semiautomática com um calibre de 9 mm que, uma vez em poder dela teve quatro cartuchos deflagrados e, infelizmente, um deles atingiu a cabeça de uma outra colega de infortúnio, que deixou duas crianças órfãs…

    Meu único desejo é que todos vivam bem. Eu vou mais longe, antes deste pitbull anencéfalo declarar guerra contra a (goste você ou não) Presidenta eleita com cinquenta e cinco milhões de votos. Eu o via latindo com dó dele, pq sabia (quem viveu na noite como eu vivi aprende muitas coisas) que a primeira cabeça que rolaria, depois da Dilma, seria a dele e, bingo! Eu queria saber acompanhar os movimentos dos números nos sorteios da mega sena, como sei avaliar a movimentação política e jornalistica. Eu tinha um amigo, eu o perdi, pelo qual eu nutria tal lealdade e devoção que, se preciso fosse, eu tomaria um tiro no lugar dele, com o risco da minha vida, para que ele pudesse sobreviver. Eu sou assim, dado a extremos e, por causa de política, eu perdi um amigo. Não quero, porque não vale a pena, arranjar um inimigo que está fazendo algo que eu estimo muito. Se expressando livremente.

    Olhe meu perfil, veja onde ele vai dar, e vc verá que eu, definitivamente, não sou um comunista, pq não concordo com o modelo e ele ruiu ainda na década de 80, quero crer, com a queda do muro de Berlin e a Perestroica.

    Ainda uma referência, a algo que eu li alguém escrever com relação ao Paulo Henrique Amorin: Eu não sei a que veio. Eu não assisto TV aberta, nem paga, eu só vejo o que me interesso no Netflix. Mas minha sogra assiste e, às vezes, eu ouço a voz completamente idiotizada dele, falando de “bichos curiosos”. É uma cópia reversa do Fausto Silva que, muito cá prá nós, já deu.
    Saudaçoes e, mais uma vez, visite meu perfil e conheça meu trabalho.
    Tvz vc se surpreenda

Deixe uma resposta