Vexame: na véspera da eleição, vice de Haddad disse ao DCM que “pesquisas indicavam mudanças jamais vistas”

Um dia antes das históricas eleições e da inédita vitória de João Doria no primeiro turno, o Diário do Centro do Mundo publicou uma entrevista com a atual vice-prefeita de São Paulo, a comunista Nádia Campeão. A vice de Fernando Haddad afirma que “pesquisas internas indicam mudanças de voto de última hora como jamais visto”. A entrevista foi concedida ao jornalista de extrema-esquerda Pedro Zambarda.

Em determinado trecho da entrevista, a comunista desqualifica as pesquisas, já que alguns partidos haviam feito encomendas de trackings para alguns institutos. No entanto, o maior beneficiário do erro das pesquisas foi justamente o prefeito Fernando Haddad, que chegou a aparecer no segundo turno com 20% dos fotos – fato que não passou de especulação.

DCM: Como funcionam os trackings? O que eles apontam e São Paulo?

Nádia Campeão: Não sou especialista nessa modalidade de pesquisa e há bem menos do que parecem entre os partidos encomendadas aos institutos que fazem esse tipo de levantamento. Existe muito ruído nos trackings, porque todas as legendas fazem isso e alguns encomendam com mais de uma empresa.

Como existe muito repasse entre as instituições envolvidas, você fica realmente em dúvida a respeito da confiabilidade dos números e dos percentuais que são divulgados. No entanto, desde o dia 29 de setembro, o que fica claro é que há uma movimentação muito grande na inclinação dos eleitores.

Parece algo de uma campanha muito diferente das que fizemos anteriormente. Foi um período extremamente curto com discussão prensada nos últimos dias para definir voto. É um ambiente inseguro em que essas pesquisas foram estabelecidas, com disposição grande de mudar de voto.

DCM: Como assim?

NC: Embora declarem um voto, as pessoas consultadas nessas pesquisas não estão seguras da decisão, não sabem o número do candidato, entre outras coisas. Além do clima, aparentemente o Doria está consolidado no segundo turno das eleições.

A segunda vaga neste momento estaria sendo disputada entre Fernando Haddad e Celso Russomanno. Entre os dois, existe uma diferença importante. O Russomanno vem de uma curva descendente nas pesquisas, vem caindo, enquanto o Haddad está ascendendo. Esses movimentos vão contar muito.

Não tem mais horário eleitoral, não tem mais debate na TV aberta. Agora conta o corpo a corpo, qual candidato tem capilaridade, ou seja, capacidade de expansão, além da militância e muito ativismo na internet, experiência em rede social. Tudo isso são fatores que contam muito.

Mesmo com essa possibilidade do Haddad ir ao segundo turno, não me parece ainda que ocorreu um desempate definido.

Nada do que foi dito na entrevista se confirmou, como já é de conhecimento público. Quem também foi na mesma linha do DCM foi o Datafolha, que projetou Haddad com 20% dos votos disputando o segundo turno com Doria.

A barrigada do DCM pode ser lida na íntegra aqui.

Anúncios

2 comentários sobre “Vexame: na véspera da eleição, vice de Haddad disse ao DCM que “pesquisas indicavam mudanças jamais vistas”

  1. A folha manipulou a pesquisa de sexta no intuito de pessoa que votavam na erundina ou marta mudasse devoto na ultima hora indo pro hadadd para isso acontecer maquiou o numero de doria pra 44 sendo que era 34 e ibope deu 30 com 44 teria segundo turno com hadadd 16 deviamos denunciar a datafolha na policia por extelionato eleitorl forjou e enganou o cidadao ao erro

Deixe uma resposta