Dinheiro desviado da Consist serviu para comprar até videogame de filho de Gleisi

Como diz a Istoé, durante depoimento ao Ministério Público Federal, o advogado Sacha Reck, ex-sócio de Guilherme Gonçalves – integrante do esquema de desvios de verba de aposentados comandado pelo ex-ministro Paulo Bernardo -, afirmou que o dinheiro usado para comprar um video game Nintendo para o filho do petista veio do chamado Fundo Consist

A informação está em documentos obtidos pela revista, resumidos desta forma: “recursos desviados de servidores públicos da ativa e aposentados foram usados para comprar até um videogame da marca Nintendo para o filho do ex-ministro do Planejamento, Paulo Bernardo (PT), e da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR).”

Em posse do MPF, a documentação faz parte da Operação Custo Brasil, braço da Lava Jato que revelou desvios em contratos de crédito consignado do Ministério do Planejamento, geridos pela empresa Consist.

Um percentual desse faturamento do crédito consignado ia para o escritório de advocacia de Guilherme Gonçalves, que defendia o ex-ministro e tinha uma relação próxima com ele, ficando em uma contabilidade secreta batizada de Fundo Consist. De acordo com as investigações, dinheiro desse fundo servia para pagar despesas pessoais de Paulo Bernardo e de Gleisi.

Os detalhes foram entregues por uma nova testemunha, o advogado Sacha Reck, ex-sócio de Guilherme. Reck – assustado com a divulgação das irregularidades – diz que não sabia da existência do fundo secreto e resolveu fazer uma devassa na contabilidade da empresa. Repassou as informações para o Ministério Público Federal e explicou tudo em um depoimento prestado em 16 de julho.

Segundo Reck, a ordem para comprar o videogame veio de Guilherme a foi dada a um funcionário do escritório, Luiz Bender: “Foi adquirido um videogame Nintendo com dinheiro do Fundo Consist”, disse no depoimento. E completou: “Guilherme Gonçalves dissera a Bender [que] com ele iria presentear o filho de Paulo Bernardo”.

Uma planilha dos gastos, em posse dos investigadores, registra em 21 de novembro de 2011 o seguinte objeto: “Nintendo 3DS (Consist)”, com valor de R$ 800. Trata-se de um videogame portátil da marca Nintendo lançado naquele ano.

A advogada de Paulo Bernardo, Verônica Sterman, novamente usou a tática petista do “não sei de nada” e afirmou que ele “não conhece o senhor Sacha e não sabe o que ele declarou”.

Anúncios

Um comentário sobre “Dinheiro desviado da Consist serviu para comprar até videogame de filho de Gleisi

Deixe uma resposta