STF registra avalanche de ações contra decisão golpista que favorece Dilma e Cunha

Passado o golpe do dia 31, o Supremo Tribunal está sendo alvo de uma avalanche de ações e mandados de segurança questionando a decisão ilegal dos 36 senadores que votaram pela manutenção dos direitos políticos de Dilma Rousseff.

O primeiro a entrar com mandado de segurança foi o senador Álvaro Dias. O senador Ronaldo Caiado, que deixou a base do governo em protesto contra o golpe, iria tomar uma decisão neste sentido até que o seu partido DEM optou por também questionar o golpe no STF. Antes disso, o Solidariedade havia sido o primeiro partido a questionar a decisão.

O que se seguiu foi uma avalanche de recursos. O príncipe Luiz Phelippe de Orleans e Bragança, que lidera o movimento Acorda Brasil protocolou um mandato no dia de ontem, no mesmo dia em que o senador José Medeiros (PSD-MT) e a Associação Médica Brasileira impetraram suas ações. Quem também se prepara para questionar a decisão é a Ordem dos Advogados do Brasil, que está analisando o caso em seu Comissão Nacional de Estudos Constitucionais.

Entre os partidos, houve um esforço conjunto nesta sexta-feira: o PSDB, que havia anunciado que recorreria da justiça e depois recuado, acabou “recuando do recuo”. Os tucanos se juntaram ao PPS, DEM e a parcela do PMDB que não participou do conchavo que deve beneficiar Eduardo Cunha, Gleisi Hoffmann e outros políticos com mandato ameaçado.

A quantidade de recursos apresentados é estrondosa, e reflete o caos jurídico provocado pelo presidente Ricardo Lewandowski com Renan Calheiros. Este episódio só tem paralelo com a nomeação de Lula para a Casa Civil, quando a ex-presidente Dilma Rousseff praticou crime de responsabilidade e desvio de finalidade ao usar um cargo público para conferir foro privilegiado a um alvo da Justiça.

Anúncios

6 comentários sobre “STF registra avalanche de ações contra decisão golpista que favorece Dilma e Cunha

  1. A sociedade brasileira precisa ficar de olho para ver se o STF não vai ficar do lado dos golpistas, a gente espera não pois nossa Constituição tem que ser respeitada por todos e principalmente pelos seus guardiões.

  2. Evidente que a decisão veio criar precedente perigoso na interpretação da Constituição Federal. Imaginar que a pena pudesse ser fracionada como também foi a decisão é imaginar que o povo brasileiro é muito ignorante. Alem disto, o Senador mudou a letra da CF sem o quorum necessário estabelecido nela própria. O conluio se deu entre Dilma, Cunha, Lewandovski, Renan, PT, PCdoB, sem dúvida e golpe também veio dessa gente.

  3. Os brasileiros estão revoltados com a palhaçada protagonizada no Senado Federal, um ultraje a Constituição,rasgando-a e mudando as regras claras que nortearam o julgamento de Dilma Roussef, o “fatiamento” da Lei jamais deverá prosperar!

  4. Galera, o principal culpado por esta afronta a Constituição foi o Lewandowski. Ele, na sua decisão monocrática, criou este precedente. As manobras desse homem para beneficiar o Partido corrupto chegou no limite, e não podemos mais aceitar: o impeachment desse ministro se faz necessário para o bem da nação.

Deixe uma resposta