Cristovam já defende que regra para salvar direitos políticos de Dilma deve ser aplicada a Cunha

O senador Cristovam Buarque, em entrevista a Jovem Pan, se queixou da cobrança que passou a sofrer por ter sido contra a perda de direitos políticos de Dilma, endossando o golpe que rasgou a Constituição ao meio.

“Eu tinha perdido metade dos meus eleitores porque votei pelo impeachment; agora perdi a outra metade porque votei para que a Dilma vá embora para casa, sim, porque ela iria destruir o Brasil, mas que, se daqui a dois anos os gaúchos quiserem elegê-la, elejam”, disse o senador.

Buarque defende que a mesma regra seja aplicada ao deputado Eduardo Cunha, do PMDB, que passa por processo de cassação de mandato. Isso, no fundo, sustenta a teoria inicial de que tudo isso foi para proteger Dilma, Cunha e outros políticos que passam por situação semelhante, e tudo em um golpe articulado com a leniência de Ricardo Lewandowski.

“Eu acho que Eduardo Cunha já deveria ter sido cassado há muito tempo, já que os eleitores do Rio o elegeram e não deveriam ter eleito. Mas agora, se a gente cassar, não tem por que cassar o direito de o eleitor votar nele, não”, defende Cristovam Buarque.

 

Anúncios

24 comentários sobre “Cristovam já defende que regra para salvar direitos políticos de Dilma deve ser aplicada a Cunha

  1. Senador Cristóvão Buarque, o sr. não perdeu eleitores, pelo contrário ganhou mais. O seu voto em favor do imptmam foi pela maioria da popular brasileira.O circo que amaram na segunda votação foi um deboche aos brasileiros e um desrespeito a Constituição Brasileiro.Meus parabéns pelo seu voto.

    1. O pior num país não são os seus políticos, mas uma parte da população que é cúmplice, elegendo-os e referendando as suas ações como está fazendo essa senhora, aplaudindo esse enganador, Cristovam Buarque.

    2. Acho que perdeu sim pois foi conivente com a dterminaçao da Constituição Brasileira !! Quem tem raizes verdadeiramente brasileiras jamais votariam em um conspirador e traidor da Constituição !!

    1. É também de quem votou em Renan, Aécio, Serra, Alckmin e os demais. Vamos começar tudo de novo com outros parlamentares, pra ver se a gente acerta agora. Dos que têm aí, NINGUÉM presta…

      1. Cassar os títulos de quem votou em Dilma e Aécio? Ah, vá! Cassar TODOS os 106 Milhões de eleitores brasileiros? Não!
        Basta RESPEiTAR a MAIORIA…

    2. É facil, é só pesquisar, em segundos encontrarás os quase 55 milhões de eleitores da Dilma, não esqueças de solicitar na pesquisa o número do título, zona e seção…! Te garanto uma coisa não votei em ninguém. O que já faço há um bom tempo!!!

  2. Senador Cristovão, nada do que for dito, justificado, apagará minha decepção. Sempre o acompanhei e acreditei fielmente nas suas posições coerentes, inteligente! Lembro muito bem de um texto seu, interpretando as manifestações nas ruas do país, o que mudou? Meus pêsames carregados de minha indignação.

  3. Tenho certeza e não estamos preparados para votar porque nosso povo não tem cultura e sim criado para levar vantagem e só faz pensando em si e não no outro e no seu país e legados que podem usufruir di certo que fizermos hoje para beneficiar o futuro de todos não é hoje tem que ser amanhã.

  4. O que o Exmo. Senador Buarque parece nao ter entendido é que seu voto para que Dilma mantenha seus direitos politicos fere a Constituição, a Lei Máxima do país. Isso é ignorancia ou excesso de leniencia? Até dá a impressão que o Exmo. Sr. Senador tem o rabo preso com o Eduardo Cunha. Senador Buarque, ficando em cima do muro V. Excia. perderá os votos de todos. Ao mesmo tempo, quem exerce o mandato apenas pensando em votos e ainda por cima rasga a Constituição, certamente não merece o meu voto.

  5. Se for para cassar títulos teremos que cassar também dos senadores que votaram pela manutenção dos direitos políticos, pois se Dilma e Cunha não prestam, esses senadores que a beneficiaram valem menos ainda, pois além de ajuda-la mostraram que estão no lugar errado pois não conhecem nem a Constituição Brasileira que é a lei maior do País, e se cassar deles temos que expulsar também o Lewandowski que é ainda pior que todos eles juntos.

  6. O sr mostrou como se estragar uma imagem com uma única atitude, sr Cristóvão Buarque. Acabou de contrariar totalmente o seu eleitorado. Todos os seus antigos discursos agora tornaram-se incoerentes e nulos. Votar a favor do impeachment de Dilma Rousseff e depois a favor da permanência dos direitos políticos dela (num ato contrário à nossa Constituição) foi o mesmo que faz o morcego vampiro: morde e assopra. Ou o sr não pensou na sua imagem ou, desculpe, quis fazer um agrado à antiga presidente por algum motivo nebuloso.

  7. Esperamos tanto, tantos debates, tantas comissões, tantas polêmicas, o país todo, atrapalhado, de repente, em menos de dez minutos, sem réplica, nem réplica popular, jornalística, jurídica, sem nada a não ser o ATREVIMENTO de alguns Senadores que se acharam acima de todos nós, nos passaram uma RASTEIRA!

    SÓ HÁ AGORA, DUAS OPÇÕES, ACEITARMOS SERMOS TRATADOS COMO OTÁRIOS, OU, DARMOS O TROCO!

    LAMENTÁVEL, CRISTOVAM, LAMENTÁVEL, A AÇÃO E A TARDIA E NÃO CONVICENTE, “EXPLICAÇÃO”!

  8. “Senador, não entendi bem. O senhor se diz “polemista” na apresentação de sua página no FB!
    Diante de sua postura em defender o “fatiamento”, em prol de sua colega do antigo ParTido, podemos considerar que o senhor saiu de lá, mas ele não saiu do senhor?
    No caso, “polemista” pode ser considerado neo-sinônimo de “golpista”?
    Rasgar a Carta é o quê? E apoiar esse estupro constitucional?
    Agora entendo o que me disseram alguns de seus alunos!
    Bom lembrar, que não se pode enganar a todos durante todo o tempo!
    Caiu a sua máscara.
    Não sei qual foi o custo disso. Para o BRASIL, meu partido, soou muito mal a sua “angelical” postura favorável à trama de Renan e Lewa Sei Lá o Quê!
    Para os brasileiros do bem e de bem, o custo será alto. A contrapartida, para os que foram coniventes com o “golpe”, talvez esteja arrolada na liturgia da “boquinha”. Qual delas?
    Estamos de olho, senador!”

Deixe uma resposta