Senadores petistas e aliados querem manter os direitos políticos de Dilma após o impeachment

A bancada do Partido dos Trabalhadores no Senado trabalha para preservar os direitos políticos da presidente Dilma Rousseff, mesmo que ela perca o mandato na votação do impeachment. Os senadores tentam manobrar a condenação da petista por meio de uma petição que será entregue à Mesa Diretora da Casa.

O que eles pretendem é desvincular a perda do mandato da inabilitação política (perda dos direitos políticos). A estratégia está sendo debatida neste exato momento, antes da votação do impeachment. Essa seria mais diferença entre os processos de Dilma e Fernando Collor, que teve os direitos políticos suspensos por oito anos.

De acordo com as regras do impeachment, ela não poderia votar ou se candidatar a qualquer cargo político durante um período de oito anos. Segundo informações do Estado de Minas, uma vez cassada, a presidente iria se desfiliar do PT e iria para o PDT. Cerca de dois meses atrás, a imprensa veiculou a notícia de que Dilma pretendia se candidatar ao Congresso representando o Rio Grande do Sul ou o Rio de Janeiro já nas eleições de 2018.

A proposta é defendida por aliados do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Antes disso, eles chegaram a propor a Dilma que renunciasse. Por meio da renúncia, ela manteria os direitos políticos. Dilma preferiu enfrentar o impeachment, acreditando que poderia salvar o mandato por meio de manobras e oferta de cargos aos deputados.

Anúncios

2 comentários sobre “Senadores petistas e aliados querem manter os direitos políticos de Dilma após o impeachment

  1. Canalhas, todos estes politicos, rasgaram a constituição, passaram por cima das leis para beneficiar Dilma, Renan e só Deus sabe mais a quem. A lei precisa ser cumprida, esses corruptos precisam pagar por seus crimes.

Deixe uma resposta