Human Rights se recusa dar golpe narrativo petista: processo de impeachment segue a Constituição

Detonando o golpe petista a nível internacional, José Miguel Vivanco, diretor executivo da Human Rights Watch, defendeu a legalidade e legitimidade do processo de impeachment de Dilma Rousseff.

“Os brasileiros devem estar orgulhosos do exemplo que estão dando ao mundo por sua capacidade de contrariar o poder político e empresarial, de atuar sem dois pesos e duas medidas”, disse Vivanco.

Vivanco está no Brasil, e “não vê futuro” na ação do PT na Comissão de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos (OEA), denunciando um “golpe”. Para ele, assim como para milhões de brasileiros, o processo segue o rito constitucional e golpe mesmo seria esta tentativa de trazer uma intervenção externa, violando as instituições brasileiras.

“Nunca o caracterizamos como golpe nem o faremos. O Brasil enfrenta uma crise política muito profunda e lida com ela dentro do quadro constitucional. Os aspectos técnicos de Orçamento não são nossa especialidade, e a discussão tem aspectos jurídicos e políticos, mas, de acordo com a Constituição, quem tem esse dever é o Congresso, e a maior evidência de que o processo está sendo conduzido de forma constitucional é que a presidente Dilma Rousseff compareceu nesta segunda-feira, 30, e está fazendo sua defesa”, disse o diretor.

Human Rights Watch é uma organização de referência no que tange ao combate às violações de direitos humanos.

Anúncios

5 comentários sobre “Human Rights se recusa dar golpe narrativo petista: processo de impeachment segue a Constituição

  1. Realmente, não é golpe. O Brasil foi assaltado pela PT-Quadrilha. É legítima defesa. Aguardo ansioso a prisão de todos os larápios.

Deixe uma resposta