Senadores da base governista vão perguntar menos para evitar enrolações petistas

Os líderes dos partidos da base governista no Senado instruíram os demais senadores a algo realmente útil: evitar enrolação. A ideia é que eles perguntem menos ou mesmo que nem perguntem, caso não tenham nada importante a ser perguntado.

Cientes de que os petistas tentarão fazer de tudo para atrasar as sessões, os governistas entenderam que esta pode ser uma forma de transmitir mais eficiência ao processo e fazer todos perderem menos tempo. Além disso, eles entendem que a forma truculenta, intransigente e beligerante dos aliados de Dilma servirá mais como munição contra ela própria.

A orientação é que apenas líderes partidários ou um escolhido por cada legenda questionem as testemunhas. “Assim se evita repetições e prolongamentos. A estratégia é dar racionalidade, objetividade”, disse o senado Agripino Maia (DEM-RN). “Seria mais do mesmo. As respostas da defesa já não convenceram”, na comissão especial do impeachment, afirmou o líder do DEM, Ronaldo Caiado (GO).

 “A recomendação é que se limite indagações desnecessárias [às testemunhas] para reduzir o tempo. Evitar perguntas repetitivas. Já no interrogatório de Dilma, liberdade total”, disse Álvaro Dias (PV-PR).

 

Anúncios

Um comentário sobre “Senadores da base governista vão perguntar menos para evitar enrolações petistas

Deixe uma resposta