Senadora Gleisi cai em contradição ao dizer que Senado “não tem moral” para votar impeachment

Em seu barraco na sessão de hoje, no Senado, Gleisi Hoffmann entra em uma ridícula contradição ao dizer que ninguém ali teria moral para julgar Dilma Rousseff. A gafe é semelhante ao que a também senadora Kátia Abreu, defensora de Dilma, disse durante a sessão que aprovou o relatório de Antonio Anastasia.

Talvez Gleisi tenha esquecido que ela também é senadora, assim como seus amiguinhos do jardim de infância, os senadores Lindbergh Farias e Vanessa Grazziotin. Se ninguém ali tem moral para julgar, eles também não têm?

 

Anúncios

21 comentários sobre “Senadora Gleisi cai em contradição ao dizer que Senado “não tem moral” para votar impeachment

  1. Essa Gleisi tem que ser banida , eu sinto vergonha em ter no senado federal essa senhora ridícula e barraqueira, ela que devolva o que o marido dela roubou, realmente ela não tem moral !

    1. Me desculpe, mas estava assistindo tudo pela TV Senado e depois , a ceninha da surtada foi repetida centenas de vezes em todas as mídias. Ela disse sim: Quem aqui tem moral para julgar aquela que me recuso até a escrever o nome… aquela que foi presidenta, inteligenta e todas as entas que for preciso!

  2. Situação de desespero, nem pensa o que diz. Pensavam que estavam imune a tudo e a todos. Vamos resolver esta questão e partir para Gilmar Mendes e amiguinhos.

  3. Se o Ministério Público Federal fizer uma faxina não testará pedra sobre pedra.
    O EXÉRCITO deveria colocar ordem no Brasil e levar a julgamento todos os que enriqueceram sem comprovação lícita.

  4. Ela é uma senadora do grupo da chupeta,mama ela e o marido,ela é senadora petrolão,ele é ministro sugador dos velhinhos endividados…um casal sem moral,vivem da corrupção praticada para ambos e para a organização criminosa de poder…o PT.É uma comunista, estérica, fanática,barraqueira,devia pelo menos respeitar o senado da república que é a casa aonde ela faz seus discursos e tem um plenário para a suportar…

Deixe uma resposta