Carta de Dilma não emocionou nem militância

Uma análise feita pela revista Istoé mostra uma visão divertida da recente carta divulgada por Dilma. Segundo a matéria, “como foi apresentada, a carta teve impacto reduzido e durou poucas horas. Logo foi ofuscado pela decisão do Supremo de autorizar a investigação contra ele, Lula e ministros por suposta obstrução de Justiça”.

Na análise, intitulada “A ilha da fantasia de Dilma”, vemos a diferença entre o que ela disse e a realidade:

O QUE ELA DISSE: “Na jornada para me defender do impeachment me aproximei mais do povo. Ouvi também críticas duras ao meu governo, a erros que foram cometidos e a medidas e políticas que não foram adotadas. Acolho essas críticas com humildade e determinação…”
A REALIDADE: A presidente ficou encastelada no Palácio da Alvorada e seu contato com o “povo” deu-se, na verdade, apenas em eventos para platéias de convertidos. Embora tenha afirmado que acolheu “críticas com humildade”, Dilma foi incapaz de expor quais foram elas.

O QUE ELA DISSE: “Por isso, afirmamos que, se consumado o impeachment sem crime de responsabilidade, teríamos um golpe de Estado.”
A REALIDADE: O processo de impeachment em curso respeitou todos os ritos, prazos e o direito de defesa constitucional, sempre assistido pelo Supremo Tribunal Federal.

O QUE ELA DISSE: “Por isso, a importância de assumirmos um claro compromisso com o Plebiscito e pela Reforma Política.”
A REALIDADE: O plebiscito com o objetivo de consultar a população sobre a convocação de novas eleições é considerado por parlamentares e especialistas um engodo. Isso porque um novo pleito depende de aprovação do Congresso Nacional, onde ela tem pouquíssimo apoio.

O QUE ELA DISSE: “Gerar mais e melhores empregos, fortalecer a saúde pública, ampliar o acesso e elevar a qualidade da educação…”
A REALIDADE: Dilma comandou o Brasil por seis anos e conseguiu retirar o País da situação de pleno emprego e entregá-lo com mais de 11 milhões de desempregados.

O QUE ELA DISSE: “Jamais se encontrará na minha vida registro de desonestidade, covardia ou traição.”
REALIDADE: De acordo com delatores da Lava Jato, Dilma foi eleita presidente da República em uma campanha presidencial irrigada com dinheiro de propina e pagamentos no caixa 2. Ela própria teria operado, segundo os depoimentos.

Como resultado, a carta não empolgou nem a militância petista, que já entrou em ritmo de debandada.

Anúncios

Um comentário sobre “Carta de Dilma não emocionou nem militância

Deixe uma resposta