Até Lula faz pouco caso de carta de Dilma

A presidente Dilma Rousseff de fato vive o pior momento de sua vida. Desacreditada pela própria militância, abandonada pelo partido e desprezada pelo povo brasileiro, a petista sofreu mais uma desventura ontem. Reunido com parlamentares petistas em Brasília, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse aos presentes não achar “tão essencial” a carta que a presidente afastada Dilma Rousseff deverá divulgar nos próximos dias, na qual defenderá a realização de um plebiscito convocando novas eleições.

O pouco caso demonstrado por Lula sobre a carta está em sintonia com a postura do presidente nacional do Partido dos Trabalhadores. Na semana passada, Rui Falcão desmentiu Dilma ao afirmar que a proposta de plebiscito prometida na carta seria “inviável”. Para Falcão, não faz sentido a presidente pedir para voltar apenas para “esquentar o banco”, uma vez que ela sabe que o povo não a quer de volta.

Dilma Rousseff tenta encontrar uma saída para a situação desconfortável em que se meteu. A presidente seguiu a estratégia determinada pelo PT para desqualificar o impeachment chamando o afastamento de golpe, mas viu sua posição se deteriorar quando as denúncias contra ela passaram a se avolumar. Agora, se perder o mandato ela irá ter que prestar contas ao juiz Sérgio Moro. Desesperada, passou a falar de uma carta onde tentará convencer ao menos seis senadores a mudarem o voto.

Ocorre que a estratégia da “Carta à Nação” é frágil, já que Dilma se dispõe a negociar com quem ela chamou de golpista. Além de não ter nada de concreto para oferecer, a tal carta se resume em uma proposta de novas eleições gerais. O problema é que a proposta de Dilma é ilegal, a menos que o presidente Michel Temer também aceite renunciar ao cargo. No entanto, o desespero de Dilma atrapalha a estratégia do PT: o partido não quer voltar ao poder pois espera ficar na oposição sem ter que assumir a responsabilidade pelos caos deixado por Dilma.

Esses objetivos diferentes levaram o partido a declarar guerra contra Dilma Rousseff. Em retaliação, Dilma passou a acusar o partido de corrupção em declarações públicas. Em contrapartida, o PT não convidou Dilma para a reunião da executiva. Também não falam de “Fica Dilma”, ordenando a militância que digam apenas “Fora Temer”. Eles preferem fazer oposição até 2018. Até lá, farão o possível para atrapalhar o governo. Isso torna a carta de Dilma inútil sobre todos os pontos de vista.

Anúncios

2 comentários sobre “Até Lula faz pouco caso de carta de Dilma

Deixe uma resposta