Vergonha de ser petista afeta candidato do PT à prefeitura de Porto Alegre

O site do PT publicou declarações inusitadas de Raul Pont, candidato a prefeito pelo partido em Porto Alegre. Em virtude do recorde de rejeição vivenciado pelo PT, Pont se declarou esperançoso de que os partidos ao qual pertencem os candidatos sejam esquecidos: “A gente espera que o voto partidário vai ser secundarizado diante do candidato e da candidata”.

Como informa o Implicante o site do próprio PT assim escreveu:  “Segundo o pré-candidato, as eleições na cidade serão marcadas por um voto no indivíduo e não em partidos.“

Curiosamente, no mesmo texto, Pont usa a narrativa do PT dizendo que “há um golpe”, e, com isso, ofende os cidadãos que apoiam o impeachment, os quais compreendem a maioria da população. Ainda assim, ele tenta convencer o eleitor de que deverão votar no indivíduo, ignorando o partido de sua procedência.

Pont não forneceu argumentos para explicar porque essa estratégia de “desplugue” em relação ao PT irá funcionar. A tendência é que o eleitor perceba que ele está com vergonha de estar associado ao petismo.

Anúncios

7 comentários sobre “Vergonha de ser petista afeta candidato do PT à prefeitura de Porto Alegre

  1. Nao poderemos esquecer, quem foi e quem é, portanto estará sempre a proteger e abarcar os companheiros, portanto tem que haver uma negativa a este tipo de candidato, ultrapassado e comprometido com a ideologia rejeitada do partido.
    Aliás temos que inclusive repensar nos outros candidatos, que não atendem nenhuma necessidade do povo, apesar do discurso, a mesmísse será sempre a mesma, falta de gerenciamento, gestão e comprometimento em resolver as reais necessidades.
    O que deveria haver seria a mesma facilidade de eleger, seria de destituir quando da rejeição atingir 50 %.

  2. Vergonha dessa cafajestada do partido do PT (Partido dos trambiques), que arrasaram com um país e como uma cidade que é Porto Alegre, pois não é só em âmbito federal, essas maracutáias também devem ter acontecido por aqui nas gestões petistas.

  3. Não adianta negar o partido; é a ideologia!
    Todos os esquerdistas seguem ideologias utópicas que invariavelmente levam à tirania , por isso não merecem confiança. Um partido político é só um agrupamento de pessoas regidas por uma ideologia (esquerda) ou por valores morais, éticos e históricos (conservadores).

  4. Tento me colocar no lugar dessas figuras,avaliando a situação atual do processo em andamento para não ser influenciado por idéias pré concebidas, mas não consigo. pois o que vale é a situação atual, o conjunto da obra,os resultados,os indícios, até por que não a CONVICÇÃO, pois ela é minha e me convenso que isso tudo que está acontecendo e resultado de ações com interesse de favorecimento de algumas pessoas e partido, é a lógica de perpetuação do poder e vontade própria.

Deixe uma resposta