PT está em dúvida se vai usar a narrativa do ”golpe” nas eleições

Dirigentes do Partido dos Trabalhadores divergem sobre a utilização da narrativa de “impeachment é golpe” nas eleições municipais deste ano. A estratégia de “nacionalizar” a campanha eleitoral não parece agradar a maioria dos atuais pré-candidatos, e o motivo parece muito simples: A narrativa de que o processo de impeachment seja um golpe ofende os brasileiros em seu caráter e também em sua inteligência.

Quem acompanha os noticiários, ainda que vagamente, sabe que o processo de impeachment de Dilma Rousseff tem seguido corretamente o rito constitucional. Também sabem que ele tem embasamento jurídico, uma vez que a Operação Lava-Jato e todas as suas descobertas têm ocupado 80% dos noticiários desde 2014.

Outra coisa que também desagrada aqueles que pretendem se eleger ou reeleger às prefeituras brasileiras é a falta de um plano. Lula e Dilma ainda não explicaram como é que os candidatos pedirão votos das pessoas ao mesmo tempo que as acusam de golpismo, uma vez que a maioria da população brasileira aprova o impeachment.

Fernando Haddad, que tentará a reeleição em São Paulo, já tem uma desaprovação recorde. Nesta campanha, diferente de 2014, ele tentará desligar sua imagem de Lula, que está com seu capital político cada vez mais negativo. Quando Dilma esteve em Aracaju, por sua vez, ela foi abandonada até por dirigentes do partido no local, todos inventando desculpas para não comparecer ao seu evento.

Anúncios

3 comentários sobre “PT está em dúvida se vai usar a narrativa do ”golpe” nas eleições

  1. Povo Brasileiro, se amam este País, não votem nunca mais em Partidos com Sigla PT-PTB- PT do B. como também em Partidos com sigla de Socialismo. São Todos Comunistas.Helder Lima

  2. “O SOCIALISMO (COMUNISMO) É O EVANGELHO DA INVEJA O CREDO DA IGNORÂNCIA E A FILOSOFIA DO FRACASSO”
    WINSTON CHURCHILL

    O PT, seus associados e quem os seguem, representam o atraso do Brasil.

Deixe uma resposta