Em reintegração de posse pedida por Haddad, Suplicy critica o governo estadual

A reintegração de posse de um terreno na Cidade Educandária, perto da rodovia Raposo Tavares, gerou polêmica após várias famílias que moram no local terem protestado. O caso é que o terreno, que pertence a prefeitura de São Paulo, está ocupado há bastante tempo por centenas de famílias pobres, sendo praticamente um bairro.

O prefeito Fernando Haddad autorizou medida judicial para reintegração de posse, e na manhã de hoje (25) policiais foram enviados ao local para efetuar a ordem emitida pelo juiz. Entretanto, houve protestos e algumas pessoas foram detidas. Nesse meio, o ex-senador Eduardo Suplicy, que é do PT, mesmo partido de Fernando Haddad, participou dos protestos e, por resistir às ordens dos policiais, acabou detido também.

A cena, considerada lamentável, mostra o ex-senador sendo levado quase no colo por vários policiais, mas Suplicy parece ter se dado bem nessa. Além de voltar a ser assunto nas redes sociais, muitas pessoas o apoiaram e declararam compaixão, apesar de o ex-senador não ter se ferido no ocorrido. Este ano, Suplicy será candidato a vereador por São Paulo e tal feito certamente lhe renderá alguns votos.

O que quase ninguém percebeu, entretanto, é que o petista jamais teceu qualquer crítica ao seu partidário, o prefeito. Em vez disso, Suplicy se limitou a atacar o governador estadual Geraldo Alckmin, que nada teve a ver com este caso, apenas por ele ser do PSDB, partido de oposição ao PT.

Suplicy estava praticamente desaparecido dos noticiários desde sua derrota nas urnas, em 2014, quando não conseguiu se reeleger ao Senado Federal. Agora ele está de volta no páreo.

Anúncios

Deixe uma resposta