Fim do “Mais Médicos” – Cubanos vão retornar à ditadura dos irmãos Castro

Na última quinta-feira, 21, o Ministro da Saúde Ricardo Barros informou, em entrevista à Folha de São Paulo, que o programa ‘Mais Médicos” provavelmente chegará ao fim. Em verdade, contratos já estavam para terminar, e na última semana Raul Castro – irmão de Fidel e atual ditador cubano – ordenou o retorno dos profissionais cubanos à Ilha.

Barros esclareceu que a atribuição de cuidar da saúde pública é, e sempre foi, uma atividade delegada aos estados e municípios, não ao Governo Federal. A declaração contraria o que diziam os ministros de Dilma, sempre afirmando que o programa “veio para ficar”. O atual ministro não estipulou prazo para o fim do programa, mas reiterou que pretende agir conforme o pacto federativo e respeitar a autonomia dos governos municipais e estaduais, conforme manda a Constituição.

Entre várias polêmicas envolvendo o programa, uma delas é a de que os médicos trazidos de Cuba viviam em condições análogas à escravidão, sendo que o governo brasileiro repassava a maior parte do pagamento pelo seu trabalho diretamente ao governo cubano, sem que os médicos tivessem acesso a ele. A suspeita é de que o programa tenha servido como forma de repassar dinheiro à ditadura falida dos irmãos Castro sob o pretexto de ser um projeto humanitário.

 

Anúncios

9 comentários sobre “Fim do “Mais Médicos” – Cubanos vão retornar à ditadura dos irmãos Castro

  1. Não é uma suspeita. O governo de Dilma criou o programa às pressas para repassar dinheiro para a OPAS. A cubana que “fugiu” contou tudo. Sempre foi semi escravidão.

  2. Bem….se no Brasil não temos médicos suficientes ou temos e não são bem remunerados pelo governo, pq então não aproveitar os médicos cubanos, através de uma avaliação, e colocá-los a disposição das instituições de saúde???….Pois….que retaliação uma ilhota comunista pode fazer contra o Brasil???….a não ser que aqueles familiares dos médicos que estão em Cuba sofram algum tipo de punição…mesmo assim acredito que valha a pena oferecer àqueles que se dispuserem em ficar por aqui uma oportunidade. Acredito que hajam médicos, mesmo cubanos, capazes e dedicados que não concordam com o regime comunista no seu país.

    1. No Brasil temos muitos, mas muitos medicos mesmo querendo trabalhar, apenas querem uma remuneração justa. Pagar para medicos brasileiros um salario perto de 5.000,00, é uma vergonha, os cubanos ganham 10.000,00 mais auxilio moradia, transporte, não trabalham na sexta-feira, não tem compromisso com paciente internado. Se o medico tiver um filho cursando faculdade de medicina particular o salario não paga a mensalidade do filho, então deixa de falar bobagem e atualiza tuas informações.

  3. Como um pais fechado para o mundo, poderia formar e desenvolver profissionais capazes e confiáveis. Você submeteria a sua vida a esses “profissionais”?

  4. Creio que poderiam ficar os médicos q CONCORDASSEM EM CONVALIDAR seus diplomas em nosso país, se submetendo às leis brasileiras e passando à viverde de forma digna em nosso país, SEM repasses de seus salários para Cuba.

  5. Acho perigosíssimo deixar que medicos(?) estrangeiros, com o objetivo político-econômico, venham prestar serviço a duas ditaduras – Brasil lulopetista e irmãos Castro Cuba!,
    Este programa Mais Médicos, como todos os programas alardeados pelo lulopetismo, são falaciosos e – por quê não dizer ? – criminosos!

  6. O Programa Mais Medicos, é aberto para brasileiros, em primeiro lugar, que tem interesse. O pronlema é que os médicos brasileiros não querem atender SUS. Acham que denigre as formações médicas. E qd os prefeitos e governadores contratavam, era com salários irrisórios e desviavam parte dos recursos que vinham do governo federal, para esse fim.

Deixe uma resposta