Pai de Fábio Porchat hoje é investigado. Seu filho ridicularizou a PF meses atrás.

Recentemente, a Operação Boca Livre, da Polícia Federal, passou a investigar fraudes na Lei Rouanet, em especial aquelas envolvendo o empresário Antônio Carlos Bellini e seu filho, Felipe Belini, respectivamente presidente e gerente do grupo Bellini.  Um dos escândalos relacionados aos dois inclui o custeamento de um casamento milionário, supostamente com recursos da Lei Rouanet.

O pai do humorista, Fábio Ferrari Porchat de Assis, foi delatado por uma das testemunhas da operação, Katia dos Santos Piauy, auxiliar administrativa e financeira do grupo Bellini. Ela apontou fraudes cometidas pelos empresários na ordem de R$ 180 milhões. Kátia mencionou que Fábio Ferrari teria falsificado recibos de doações de livros produzidos por meio de isenção fiscal. Para forjar os documentos, o grupo teria recebido auxilio da ALA (Academia Latino-Americana de Artes), dirigida por Fábio Ferrari. Um dos conselheiros da associação é Antônio Carlos Bellini. Fábio Ferrari também recebeu recursos de um escritório de advocacia implicado nas investigações.

O humorista Fábio Porchat (que se chama Fábio Porchat de Assis), filho de Fábio Ferrari Porchat de Assis, havia sido contratado para um show privado de stand up e supostamente utilizado no esquema de desvios da Lei Rouanet. O humorista afirmou não fazer ideia da origem dos recursos: “Sou contratado para dezenas de trabalhos e é impossível eu saber a procedência do dinheiro dos meus contratantes. Como não sabia desse”.

Em 2015, o grupo Porta dos Fundos, do qual o humorista Fábio Porchat é dos principais membros, foi autorizado pela Ancine (Agência Nacional do Cinema) a captar R$ 7,5 milhões para realizar o longa-metragem “Porta dos Fundos – Contrato Vitalício”. Recém lançado, o filme afundou nas bilheterias.

No início de 2016, o grupo Porta dos Fundos fez um vídeo humorístico para ridicularizar o trabalho da Polícia Federal. O vídeo adotava a narrativa petista, que diz que “só petista é investigado”. A narrativa é falsa, pois o maior número de investigados na Lava Jato vem do PP, que na época do petrolão estava aliado ao PT.

Os humoristas do grupo tem feito diversas piadas para ironizar o fato de terem sido privilegiados com a Lei Rouanet. No dia da estréia do filme “Contrato Vitalício”, os atores posaram para fotos. Em vez de dizerem “xis”, o elenco gritou “Lei Rouanet”.

Advertisements
Anúncios

4 comentários sobre “Pai de Fábio Porchat hoje é investigado. Seu filho ridicularizou a PF meses atrás.

  1. O grande problema destes artistas é que acham ser melhor que o seu Público, e participam destas manifestações..e vão contra o povo,fazendo sátiras..e quando precisam do público, são boicotados!!!Governo PT acabou com o Brasil e estes artistas por benefícios, apoiam publicamente estes corruptos!!! Aguentem agora o fracasso!!

  2. Com tantos escândalos comprovados, era difícil ver tantos artistas apoiarem o PT de forma tão solidária, até que as fraudes que envolveram os milhares de favorecidos da maldita lei Rouanet, os mesmos artistas dos movimentos pró Dilma, vieram a tona. Aí sim, entendemos o interesse em defende-la.

    Ou seja o nosso dinheiro que os enriquece era interminável e farto, era desviado de outros destinos essências à vida (saúde, educação, seguranca, transportes, por exemplo). Ou seja, nas fartas tetas do governo, mamavam irrestritamente, o excelente e rico leite que enfraquecia a mãe e era negado aos filhos verdadeiramente carentes!
    Mas com isso o governo garantiu o apoio da grande maioria da classe artística vendida.
    O PT sabia furtar, desviar, corromper e aliciar, como ninguém!

  3. Agora pega essa turma toda e coloca pra morar na casa do Chico Buarque em Paris.
    Esta lei foi criada com a intenção de ajudar artistas em início de carreira e dar algumas isenções às empresas apoiadoras, o que não ocorreu.
    Artistas de nome acertavam com empresas e o governo o dinheiro do espetáculo. As empresas ainda tinham participação nas bilheterias.

Deixe uma resposta