Moro dá uma rasteira tática em Lewandowski

O juiz curitibano Sérgio Moro tem sido constantemente elogiado por seus pares pela excelente performance estratégica na condução da Lava Jato.

Conforme análise de Patrícia Carvalho ao Diário do Brasil, Moro novamente demonstrou essa habilidade diante da tentativa do presidente do STF, ministro Ricardo Lewandowski, de buscar um modo para constranger a Operação Lava Jato.

Como foi amplamente noticiado, na última quarta (6) um despacho do presidente do STF deu a Sérgio Moro um prazo de 48 horas para que o juiz prestasse esclarecimentos quanto a a decisão de ter autorizado a divulgação de conversas gravadas envolvendo o ex-presidente Lula. Lewandowski atendia um pedido da defesa de Lula, que visa suspender as investigações da Lava Jato em primeira instância.

A tática de Lewandowski de aceitar o pedido fracassou pois, mesmo que as interceptações telefônicas feitas na investigação sejam derrubadas, isso não terá efeito diante das denúncias que o MPF tem contra o ex-presidente petista. A razão para isso é que em nenhum momento os grampos telefônicos foram utilizados para instruir os processos da Lava Jato.

As gravações serviram unicamente para expor as tentativas de obstrução de justiça ao povo brasileiro, mas não interferem no processo. Logo, a tática de anular as gravações não deve ser útil ao ex-presidente Lula, que não poderá utilizar a potencial anulação com argumento para não ser julgado por Moro.

Anúncios

83 comentários sobre “Moro dá uma rasteira tática em Lewandowski

  1. Existe 3 hipóteses :
    * Pode ser que Lewandowski é um leigo da constituição, entrou no STF por peixada;
    * Tem dificuldade de interpretar textos claros e objetivos devido a dislexia;
    * Ele trabalha como advogado incubado do Lula.

Deixe uma resposta