Movimentos sociais e partidos ligados ao PT querem fortalecer a ditadura venezuelana através do Mercosul

Assim que José Serra (PSDB), atual Ministro das Relações Exteriores, declarou que faria o possível para evitar que a Venezuela assumisse a presidência do Mercosul, o que pode vir a acontecer no segundo semestre de 2016. Isso foi suficiente para que membros de movimentos sociais e de alguns partidos ligados ao PT se posicionassem contra o Ministro e, ao mesmo tempo, defendessem a legitimidade de um ditador assumir o comando de uma organização que se propõe a ser democrática.

Diversos sites ligados ao governo petista divulgaram notas em crítica a posição de Serra, apesar de ela ser justa e legítima do ponto de vista democrático. A Venezuela hoje vive uma das mais devastadoras crises econômicas da história mundial, perdendo apenas para casos muito mais graves como a extinta União Soviética ou Cuba. Além disso, o país é comandado com mão de ferro desde os últimos mandatos do falecido presidente Hugo Chávez, o que foi mantido por seu sucessor Nicolás Maduro, do mesmo partido.

O país enfrenta grave crise institucional, suspeitas de fraude eleitoral, perseguição política a opositores do governo e até o uso de violência policial letal contra manifestantes que protestam pela saída de Maduro. De fato, não é um exemplo a ser seguido.

Serra tem apoio de outros presidentes latino-americanos, como Maurício Macri, da Argentina, e Horácio Cartes, do Paraguai.

Advertisements
Anúncios

Deixe uma resposta