Em Brasília, Holiday dá depoimento emocionante sobre o Escola Sem Partido

Em debate acerca do Escola Sem Partido em comissão especial no Congresso Nacional, o vereador paulistano Fernando Holiday (DEM/MBL) prestou um depoimento emocionante em defesa do projeto de lei.

Comentando sobre sua infância e adolescência colegial, o jovem vereador, de apenas 20 anos, escancarou a doutrinação ideológica de alguns professores em sala de aula, inclusive confessando ter sido vítima desses abusadores.

Relembrou quando ainda cursava o ensino médio, e contou que sofreu perseguição de professores por causa de divergências de pensamento. A maioria dos docentes, afirmou, tentava doutriná-lo. “Eles falavam que, se eu não abandonasse a minha fé e os meus laços familiares, eu estaria fadado à burrice”.

Segundo ele, o Escola sem Partido garante aos alunos a liberdade de pensamentos políticos e religiosos, “direitos que já estão na Constituição”. Muitos dos elementos emocionantes do relato estão ligados a infância difícil e pobre em que Fernando Holiday viveu, ainda que superados através do estudo e da dedicação.

Recentemente, Holiday foi atacado por partidos de extrema-esquerda e sindicatos ao visitar escolas da rede pública municipal, ao deixar seu gabinete para fiscalizar a educação em São Paulo. O bombardeio partiu de PSOL, PT e boa parte de grande imprensa, inclusive com nota “cavada” da ONU sobre o assunto.

Ainda assim, Holiday topou ir a capital federal e dar seu depoimento como jovem e parlamentar. Veja aqui:

Anúncios

2 comentários sobre “Em Brasília, Holiday dá depoimento emocionante sobre o Escola Sem Partido

  1. MBL, a nossa válvula de escape dá esquerda radical e facista, são atualmente a vanguarda jovem do Brasil, os únicos que pediram os radicais dá esquerda. Holliday e K. Kataguire são os heróis…

    Curtir

  2. Leitores e leitoras desta matéria saibam do seguinte: a Constituição Brasileira já prevê liberdade de pensamento político e religioso tanto aos alunos quanto aos professores, e está matéria só mencionava a parte que cabe aos alunos, tendencioso isso??? O exemplo relatado pelo deputado de 20 anos sobre a postura do professor é um mal que devemos combater e isso já estar previsto em lei e chama-se abuso de autoridade e assédio moral. Portanto, a proposta da escola sem partido é Inconstitucional. Qualquer jurista sabe disso, pois ataca a liberdade do professor em sala de aula. Creio que os senhores devem estudar mais esses temas!!!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s